Institucional

Sustentabilidade

Em 2016 os moradores do Bairro Pedra Branca consumiram 107 litros de água por dia/ habitante. Comparando este consumo com a média nacional, de 154 litros por dia por habitante é possível afirmar que os moradores do Bairro fazem uso da água racionalmente, evitando o desperdícios. Paralelamente, as perdas de água do SAE no ano de 2016 foram de 11,6% do total disponibilizado. Comparando com a média nacional de perdas nos sistemas, de 37,0 %, percebe-se o compromisso do SAE com o bom gerenciamento do recurso hídrico. Combinando-se os dois índices, de consumo per capita e perdas, foi possível atender o Bairro com um volume de água até 50% menor do que o que seria necessário caso a os indicadores fossem iguais aos nacionais. A uso racional e o baixo índice de perdas geraram uma economia 400.000m3 (quatrocentos mil metros cúbicos) de água no decorrer de 2016. Este fato propiciou menos geração de esgoto sanitário, menos consumo de energia elétrica e menos geração de gás carbônico.

História

  • 2000

    No início dos anos 2000 foi lançado o empreendimento Imobiliário Colinas da Pedra Branca, com milhares de lotes residenciais, comerciais, industriais e mistos. O empreendimento imobiliário contava com infraestrutura completa de coleta e tratamento de esgotos, que desde seu início foi operado pela empresa Pedra Branca Ltda.

  • 2005

    Em 2005 o empreendimento imobiliário passou a ser um projeto modelo associado a CCI – Clinton Climate Iniciative, sendo o único na América Latina, com compromisso da preservação dos recursos naturais e a sustentabilidade do empreendimento.
    Desta forma, o Sistema de água e esgoto Pedra Branca foi instituído por Lei, através de um entendimento da Prefeitura Municipal da Palhoça, Governo do Estado, Clinton Climate Iniciative – CCI, e empresa Pedra Branca, para o atendimento dos serviços de água e esgoto no Bairro Pedra Branca, como forma de garantir a preservação ambiental e da sustentabilidade do empreendimento.

  • 2010

    O SAE iniciou seus serviços em março de 2010 e a partir desta data concentrou seus esforços em implantar um modelo de gestão que garantisse os compromissos previstos em sua criação. Desta forma o SAE busca minimizar o índice de perdas de água, difundir uma cultura de uso consciente da água e da responsabilidade pelo tratamento do efluente gerado.

  • 2016

    Em 2016 o SAE já conta com um índice de perdas de12% e metas de rapidez de atendimento que o colocam como referência entre os melhores sistemas do Brasil.

Missão

Atender a demanda das pessoas por águas e tratamento de efluentes com qualidade, regularidade e universalidade.

Visão

Ser um Sistema reconhecido, até 2020, no uso técnicas que garantam a sustentabilidade do empreendimento.